viernes, 2 de noviembre de 2012

Do ver ao compreender as gravuras ‘fusiformes’ do vale do Sabor (Portugal)


Sofia Soares de Figueiredo, Pedro Xavier, José Maciel y Araceli Cristo Ropero (ACE, Baixo Sabor): Do ver ao compreender as gravuras ‘fusiformes’ do vale do Sabor.
Em 1963, num primeiro ensaio publicado sobre a rocha de Ridevides, o afamado investigador transmontano Santos Júnior, com base na técnica de gravação, designou o tipo de gravuras aí presente de ‘fusiformes’. Até ao século presente, poucos foram os sítios com este tipo de gravuras identificados ou estudados. A dispersão geográfica dos poucos casos então conhecidos no território português centrava-se, sobretudo, na Beira Interior e Trás-os-Montes Oriental. Com o desenrolar dos trabalhos arqueológicos no vale do Sabor, foram identificados diferentes sítios com este tipo de gravuras, quase sempre com o mesmo tipo de grafismos que se caracterizam por motivos lineares com uma acentuada monotonia temática. Dos locais até hoje identificados, três foram alvo de sondagens arqueológicas que procuraram dar respostas associadas sobretudo aos contextos cronológicos destas manifestações. Neste trabalho, procuramos apresentar um estado de arte sobre o conhecimento atual acerca destas gravuras, profundas e de alguma forma tão marcadas na paisagem, e a dificuldade em encontrar-lhes o(s) sentido(s).
 
II Jornadas de Jóvenes Investigadores del valle del Duero. Del Neolítico a la Antigüedad tardía. León 2012.

No hay comentarios: