miércoles, 21 de marzo de 2012

Festa, cerveja e muito álcool na Europa Central da Idade do Ferro (Alemania)

Festa e álcool pode ter sido uma constante nas sociedades europeias da Idade do Ferro. A proposta desta interpretação social da vida das comunidades que habitaram o continente há mais de dois mil anos vem da arqueóloga Bettina Arnold.
Segundo esta investigadora da Universidade de Wisconsin-Milwaukee, os povos pré-romanos praticavam a "festa competitiva", em que as pessoas que disputavam uma posição social e política tentavam superar os outros através de festas de energia.
Artefactos recuperados a partir de túmulos com 2600 anos de idade, no sudoeste da Alemanha, oferecem algumas pistas sobre o modo de vida dessas pessoas, sendo que o álcool parece ter estado presente de uma forma muito intensa.
De facto, com base nos “vasos de beber” encontrados em túmulos perto do assentamento arqueológico de hillfort , e em outros objetos importados, os arqueólogos concluíram que os celtas que ocupavam a Europa Central negociavam todo tipo de produtos com o Mediterrâneo.
"A cerveja era a bebida consumida de uma forma mais massiva, por toda a população, enquanto o vinho era mais para a elite e especialmente consumido nos locais que se situavam próximo de uma rota de comércio com o Mediterrâneo", diz Kevin Cullen, um associado do projeto de arqueologia que foi parcialmente financiado pela National Geographic Society.
Uma vez que as uvas ainda não tinham sido introduzidas na Europa central, o vinho importado era, por isso, um produto raro e o seu consumo indicaria um estatuto social mais elevado. Os Celtas também fizeram o seu próprio vinho de mel (o hidromel), um liquido aromatizado criado à base de ervas e flores e que na altura teria sido mais caro do que cerveja, mas mais barato do que o vinho.
A cerveja era feita sobretudo a partir do trigo ou da cevada e sem lúpulo, e poderia ter sido misturada com o hidromel ou consumida individualmente, imediatamente a seguir à sua confeção.
Para a classe alta destas sociedades, a quantidade de álcool consumido era tão importante quanto a qualidade. Neste seu projeto Bettina Arnold escavou num dos túmulos em Heuneburg um caldeirão totalmente intacto que foi usado para servir bebidas alcoólicas.
Além desta sua predileção pelo álcool, as populações celtas foram também consumidoras de tecidos com padrões listrados e muito coloridos que eram importado, sobretudo, da zona do mediterrâneo. As escavações de Heuneburg mostraram evidência de ambos e embora nenhum dos ossos permanecessem no registo devido à acidez do solo, a equipa de arqueologia foi capaz de reconstruir alguns dos adornos e do vestuário usando novas tecnologias.
Ao invés de tentar escavar os restos metálicos frágeis, como grampos de cabelo, joias, armas e fíbulas, Arnold e os seus colegas optaram por escavar os blocos de terra que continham esses objetos e em seguida submeteram esses pacotes à técnica da tomografia computadorizada, ou TC scanner.
Com esta técnica descobriram quantidades impressionantes de pequenos adereços que de outra forma passariam despercebidos na escavação normal.
Surpreendentemente, foi o metal que esteve em contacto com roupa de lã e tecidos que forneceram os importantes dados sobre a indumentária desse período .Pedaços de tecido agarrados ao metal permitiram a recriação de cores e dos padrões utilizados.
“Quando você pode realmente reconstruir o traje, de repente, essas pessoas, tornam-se mais reais, em três dimensões, e até lhe podemos imaginar um rosto”. disse Arnold.

Fuente: Jornal de Arqueologia: http://jornaldearqueologia.blogspot.pt/2012/03/festa-cerveja-e-muito-alcool-na-europa.html

No hay comentarios: